quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Entrevistas: Carlos Rocha



Eu decidi começar a fazer pequenos artigos sobre amigos meus (os meus são muito especiais ). O primeiro é o Carlos Rocha.
O Carlos, para quem não sabe, é um grande desenhador, e com ele, quando é para fazer é para fazer. Também é muito boa pessoa, é simpático, engraçado e gosto da maneira dele de ver as coisas. Foi ele que desenhou a minha foto de perfil e a minha capa (no facebook) . E também é o criador da imagem do meu alter-ego "Diabbita".

Já publicou dois livros (juntamente com a Aida Teixeira) o "Vamos Aprender- A moral da história" (até, mais ou menos, 6-7 anos) e "O Espirro do Dragão" (mais ou menos dos 8 para cima), ambos com desenhos fantásticos!
Conforme tinha sido prometido na minha página do Facebook, apresento a entrevista com este autor/desenhador.
A editora de ambos os livros é a Kingpin Books.



Entrevista Carlos Rocha
(Setembro 2015)

-Qual é a tua idade mental?
Olá. Bem, devo confessar que quase nunca a minha idade mental andou a par com a que revela o meu CC (Cartão de Cidadão). Mas desconfio que devo ter parado de crescer entre os 18 e os 25(risos). Se nos levarmos muito a sério a vida torna-se imensamente chata, não é verdade?

-Andaste em alguma escola de desenho? Se sim, qual/quais? Se não, porquê?
Os meus últimos anos como estudante foram passados na Escola Secundária de Tomás Cabreira, em Faro, onde estudei Arte & Design (estudos inconclusivos).

-Eu sei que não andaste na faculdade. Arrependes-te de não teres terminado os estudos na tua área?
O Serviço Militar Obrigatório de então foi o responsável pela interrupção dos meus estudos. Mas apenas pela interrupção, pois a definitiva paragem foi minha assumida decisão, ao me ter iniciado no mercado de trabalho e não mais tornar a estudar. Não falaria em "arrependimento", apenas aceito que as coisas assim se tenham passado.

-Qual é aquele sonho de menino que continuas a perseguir?
Os meus sonhos (prefiro referí-los como "metas") no que à banda desenhada diz respeito, começaram a desabrochar apenas na juventude, a partir daquele momento especial em que eu decidi que o que desejava ser na vida era banda desenhista.

-Uma vez disseste que querias ser o “melhor desenhador de portugal”. Já és?
Em rigor em rigor, o que eu realmente disse foi que haveria de ser "o maior nome da banda desenhada portuguesa contemporânea". Não sou, e muito longe ainda disso estou.

-Não queres ser conhecido fora de Portugal? Se sim, o que estás a fazer para isso acontecer? Se não, porquê?
Quero ser conhecido fora de Portugal, evidentemente, mas antes gostaria muito de ser conhecido dentro deste nosso "jardim à beira mar plantado". Para ambos os casos há que produzir, sempre e bem. A minha ambição passará sempre por primeiramente conquistar a minha aldeia. O resto virá depois, acredito.

-Já pensaste em ilustrar outros livros, expandir os teus limites?
Conforme o género de projeto, de proposta, assim será o meu interesse. Não é nada a que eu não esteja aberto.

-Sem ser o Guga, qual o personagem que te deu mais prazer criar, e porquê?
O Guga, para quem desconhece, é o principal personagem de um universo de bd infantil. O curioso é que tal estatuto (ser o principal) não é garantia de que foi/é/será aquele que mais gozo nos dá desenhar (neste caso até é). Outras há que, embora sejam personagens segundárias, terciárias e por aí, podem ser imensamente mais divertidas e dar mais prazer de desenhá-las ao seu criador. Não consigo precisar nenhuma (teria que ir ao baú), mas tenho algumas.

-Se te saísse o totoloto, qual seria a primeira coisa que farias?
Hmm... a primeira não sei, mas entre outras coisas de certeza que compraria muita muita muita banda desenhada. :D

-Ganha-se muito dinheiro na tua profissão? Se não, o que fazes além de desenhar?
Pode-se, sim, ganhar muito dinheiro na minha profissão (sob certas e determinadas condições). O que não é o meu caso particular, infelizmente. Até lá cumpro uma ou outra encomenda conforme se me aparece, enquanto continuo a tentar alcançar as metas a que me propus. Estou proibido de desistir.

-Qual foi a pergunta que gostavas que eu te tivesse feito ( e não fiz ) ?
"Gostaste desta entrevista?" Adorei. E fico muito feliz em fazer parte deste teu bonito e estimável projeto. Desejo-te as maiores das felicidades.


12 comentários:

  1. Muito bom. Espero ver mais entrevistas destas aqui no blog pois são bastante interessantes :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado e sim vais ver, já estou a trabalhar numa nova ;)

      Eliminar
  2. Toda eu sou orgulho.
    Tenho a filha mais inteligente do Universo (e arredores), e que tem os melhores amigos do mundo (e arredores)
    Excelente entrevista.
    Excelente começo.
    Venham mais

    ResponderEliminar
  3. Acompanharei este blog com muita atenção. Auspicio um futuro para esta menina não menos que interessante. ;) Força, Sofia!!

    ResponderEliminar

Opiniões